Estado de emergência declarado no Sudão devido a enchentes mortais – Nacional

Estado de emergência declarado no Sudão devido a enchentes mortais – Nacional

5 de September de 2020 0 By Portal de Campo Grande
Avalie!
[Total: 0 Média: 0]

As autoridades sudanesas declararam seu país uma área de desastre natural e impuseram um estado de emergência de três meses em todo o país, depois que o aumento das enchentes e fortes chuvas mataram cerca de 100 pessoas e inundaram mais de 100.000 casas desde o final de julho.

O anúncio foi feito na sexta-feira após uma reunião do Conselho de Defesa e Segurança do país, chefiado por um alto funcionário do governo, o general Abdel-Fattah Burhan.

As inundações causadas por fortes chuvas sazonais, principalmente na vizinha Etiópia, levaram o rio Nilo a subir cerca de 17,5 metros no final de agosto, o nível mais alto que atingiu em cerca de um século, de acordo com o Ministério de Irrigação do Sudão.

Consulte Mais informação:

4 países africanos em risco de fome, insegurança alimentar generalizada: Nações Unidas

O ministério disse que os níveis de água do Nilo Azul são mais altos do que os níveis de enchentes de 1988 que destruíram dezenas de milhares de casas em várias partes do Sudão e deslocaram mais de um milhão de pessoas.

A história continua abaixo do anúncio

A ministra do Trabalho e Desenvolvimento Social, Lina al-Sheikh, disse que as enchentes mataram cerca de 100 pessoas, além de ferir pelo menos 46 pessoas e afetar mais de 500.000 pessoas em todo o país. Mais de 100.000 casas em todo o país foram total ou parcialmente desabadas, disse ela.

A agência humanitária da ONU alertou que a situação deve piorar nas próximas semanas, já que estão previstas chuvas acima da média até o final de setembro.

A capital Cartum foi duramente atingida nas últimas duas semanas. Moradores de vários bairros da cidade foram vistos erguendo barricadas e outros escudos enquanto a água do Nilo varria vários bairros, em imagens que circularam online.

Os militares enviaram tropas para ajudar na evacuação de pessoas e construir barricadas em Cartum, bem como na distribuição de alimentos, depois que uma enchente cortou estradas e varreu casas e pertences.






Papa pede que Egito, Etiópia e Sudão continuem as negociações sobre a barragem do Nilo


Papa pede que Egito, Etiópia e Sudão continuem as negociações sobre a barragem do Nilo

No início desta semana, o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários, ou OCHA, disse que o acesso à água potável, que é crítica em meio à pandemia do coronavírus, também foi reduzido, com as enchentes eliminando ou contaminando cerca de 2.000 fontes de água.

A história continua abaixo do anúncio

O OCHA disse na semana passada que as inundações também danificaram pelo menos 43 escolas e 2.671 unidades de saúde em todo o país, e que grandes extensões de terras agrícolas em todo o país também foram inundadas no meio da temporada de colheita.

Consulte Mais informação:

60 mortos após enchentes, chuvas fortes no Sudão

A agência de refugiados da ONU, ou ACNUR, disse que dezenas de milhares de refugiados e deslocados internos foram afetados, principalmente na província de Darfur do Norte, onde 15 pessoas morreram e outras 23 estão desaparecidas.

O OCHA pediu um apoio mais amplo da comunidade internacional, já que um plano humanitário de US $ 1,6 bilhão para o Sudão está financiado em menos de 44% e os estoques de ajuda estão “esgotados rapidamente”.

Chuvas sazonais e inundações no ano passado deixaram um total de 78 mortos em 16 das 18 províncias do Sudão, entre julho e agosto, segundo a ONU

© 2020 The Canadian Press